Projeto de lei obriga validade de um ano para crédito do pré-pago.

Man Typing on Smart phone

projeto de lei 618/2007, de autoria do deputado Lincoln Portela (PL/MG), prevê que os créditos de celulares pré-pagos tenham validade mínima de um ano. A proposta foi aprovada na quinta-feira (31) pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

No entanto, o texto foi rejeitado pela Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) e perdeu o caráter conclusivo, o que obriga a votação em plenário pelos deputados. O texto deve ir ao plenário na Câmara e, depois, seguir para aprovação no Senado, para então ser sancionado ou vetado pelo presidente.

Segundo a proposta, o celular pré-pago só pode ser bloqueado para receber chamadas depois de, pelo menos, um ano da ativação do último crédito. As operadoras que não cumprirem a lei poderão sofrer penalidades como advertência, multa e suspensão temporária.

A regulamentação atual da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estabelece que as operadoras não podem oferecer créditos com validade inferior a 30 dias. Há, ainda, a opção de validade igual ou superior a 90 ou 180 dias. As empresas também são obrigadas a renovar os créditos vencidos na recarga seguinte, bem como comunicar os clientes quando o saldo estiver prestes a acabar.

As operadoras de telefonia móvel no Brasil têm validades mínimas e máximas diferentes entre si, a depender do valor da recarga. Na Claro, são 30 dias (R$ 10) e 180 dias (R$ 100). A Oi oferece prazo de validade entre 30 (para recargas abaixo de R$ 20) e 180 dias (recargas a partir de R$ 100). A TIM, por sua vez, tem entre 30 (R$ 15) e 180 dias (R$ 100). Já na Vivo, a validade vai de 30 (R$ 15) a 730 dias (R$ 300).

Via: Portal Câmara dos Deputados 

Notícias Relacionadas

DEPUTADO DANIEL TRZECIAK DESTINA EMENDA DE 200 MIL PARA SAÚDE.

redefan

Menina de 11 anos grávida após estupro realiza aborto legal em SC, informa MPF

redefan

Lei que permite renegociação de dívidas do Fies é sancionada

redefan