Image default

## Dica NETFLIX ## Drácula – 1ª Temporada

Resultado de imagem para drácula netflix"

Dracula, ao lado de Frankenstein, lobisomens e zumbis, ocupa um vasto espaço no imaginário coletivo. Bram Stoker, quando criou seu clássico, talvez não imaginasse o alcance que seu personagem teria nas décadas vindouras. Pois o rei dos vampiros já ganhou inúmeras releituras no cinema, teatro, TV e mesmo na literatura. Do terror gótico à comédia, o bebedor de sangue já teve altos e baixos memoráveis na cultura pop.

A última incursão do monstro na TV chama-se Dracula, como no original, e reside em dois belos castelos: a BBC One e a Netflix. Produção feita em parceria pelas duas plataformas, Dracula traz o dinamarquês Claes Bang no papel principal e os criadores de Sherlock no comando do texto. Em uma mescla de adaptação fiel do livro, homenagem a produções antecessores e releitura original, o projeto acerta na modernização e nas ideias arejadas que traz ao batido conceito dos vampiros.

Regras e convenções são postas à prova em trama com a cabeça no presente

Steven Moffat e Mark Gatiss já haviam trazido Sherlock Holmes ao presente e adaptado suas investigações e peculiaridades às tecnologias do século XXI. Em Dracula, a dupla se diverte ao tentar debater e explicar alguns conceitos básicos do romance original e das lendas fortemente enraizadas acerca dos vampiros. Sem ser didática ou pesadamente explicativa, a série muitas vezes não dá respostas definitivas, mas sugere interessantes desdobramentos. O motivo para o conde temer a cruz, por exemplo, ganha contornos sociais interessantes, ao passo que o próprio ato de beber sangue torna-se não só questão de sobrevivência, mas de vícios e atualizações em um mundo feito de mudanças.

É válido, portanto, que a série pegue todas as “regras” preestabelecidas para vampiros e discuta sobre cada uma delas, mesmo que brevemente. O perecimento frente à luz do sol, o sono em terras natais, a estaca no coração, o convite para entrar. Tudo ganha, no mínimo, um comentário irreverente. É por isso, também, que a personagem de Agatha, a freira, funciona tão bem. Além de sua identidade secreta (revelada no primeiro capítulo), a personagem brilha por seu humor, irreverência e inteligência. Seu interesse em Dracula é quase obsessivo, e é empolgante vê-la conversar com o monstro de forma aberta e totalmente interessada.

Dracula faz bela homenagem às diversas adaptações lançadas no último século

Agatha, aliás, é um sinal dos tempos e da mudança, e é interessante perceber algumas atualizações feitas por Moffat e Gatiss. Neste sentido, as reviravoltas da trama são dignas de Sherlock, e algumas delas são de cair o queixo. É inevitável, portanto, que muitos fãs ranhentos batam o pé e reclamem sobre alguns aspectos. Basta realizar uma breve pesquisa sobre a série e perceber que muita gente se mostrou “decepcionada” com a produção. O motivo? As inequívocas mudanças em alguns elementos e abordagens. Dracula, por exemplo, tem claras inclinações homossexuais, ao passo que um importante personagem do cânone é, agora, uma mulher. Tudo isso funciona e é elogiável, e só não aceita quem ficou preso no tempo dentro de um caixão.

De todo modo, Dracula tem tudo para agradar diversos grupos e unificá-los. Tanto a narrativa quanto o visual prestam claras homenagens às diversas releituras lançadas no último século. Há o elemento gótico e o jogo de sombras que Coppola usou e abusou em 1992, há a irreverência e o visual monstruoso de Christopher Lee, as referências e ligações a Nosferatu (tanto o de Murnau quando o de Herzog) e muito mais. É curioso, aliás, que Nosferatu tenha sido lançado em 1922 e quase cem anos depois, em 2020, uma nova adaptação da mesma história chegue ao público com a mesma relevância e impacto.

No elenco, Claes Bang e Dolly Wells brilham na linha de frente. Bang tempera o personagem na medida certa com ameaça e sexy appeal, ao passo que Wells quase rouba a cena com a freira esperta e jamais deixa o sarcasmo de lado. Na parte técnica, a direção de arte merece destaque ao recriar o castelo do conde como um assustador e interminável labirinto, enquanto o convento surge como um forte habitado por freiras-soldado. O mesmo vale para a fotografia, que faz um bom trabalho brincando com luzes e sombras, dando o tom exato da trama mesmo nos momentos mais escuros ou simples.

Dracula, portanto, acerta nas releitura e homenagens que presta ao longo do caminho. O roteiro aborda, em cada capítulo um importante trecho da saga do vampiro. Seja na relação entre o conde e o advogado ou na viagem de navio até a Inglaterra, Moffat e Gatiss parecem se divertir na condução de suas ideias e personagens. O resultado é positivo, embora não isento de falhas. O ritmo, às vezes, é problemático, e o desfecho pode torcer narizes. Como um todo, porém, a série é o primeiro acerto da BBC e da Netflix do ano.

Assim como o Conde Dracula, esta clássica história precisa se alimentar de tempos em tempos para que possa se atualizar e seguir em frente, evoluindo.

Notícias Relacionadas

“Velozes e Furiosos 9” tem estreia adiada em um ano por conta do novo coronavírus.

FAN FM

Argentina adia Lollapalooza 2020 por causa do coronavírus

FAN FM

Série antológica norueguesa da Netflix ‘Coletivo Terror’ estreia nesta sexta;

FAN FM